13 de nov de 2009

"Vem olhar esta noite amanhecer, iluminar..."

(Canção do Amanhecer, Antônio Carlos Jobim)
.
.
Meu tempo nunca foi esse, sempre quis estar mais perto do minuto que está por vir. Ansiosa, sedenta, apressada. Sempre estive na frente, até nas filas do colégio. Na família não poderia ter sido diferente: primeira filha, primeira neta, primeira sobrinha. Na época em que meus pais e tios condenavam as tatuagens, fui a primeira dos novatos em aparecer com uma enorme no meio das costas. Nada de contrariar, de colocar lenha na fogueira, mas se algum de nós tinha que quebrar aquela barreira mais cedo ou mais tarde, então que fosse eu. Sou da opinião de que a vida não reserva lugares para segundos colocados, gente desanimada e conformada para mim não serve. É importante ser ambicioso, é importante desejar grandes coisas. Quem pensa pequeno sempre alcançará coisas pequenas, e isso é fato. Grandes sonhos não fazem mal a ninguém, desde que você não use estratégias não tão justas para alcançá-los.
Sempre fui a primeira, sempre o passo adiante, até mesmo para os abismos. Afinal nenhum caminho é feito só de riso. Tem que chorar muito, tem que pagar muito preço, levantar as quatro, dormir as duas ou não dormir. Tem que ter o felling, a ginga, a vontade inabalável (sim, inabalável) de chegar aonde se quer. Não me arrependo e também não mudo. Com 22 anos muitos dos meus objetivos intermedários já estão acontecendo, e com 30, meus queridos, pode ter certeza que vou estar muito bem. E muito bem para mim não quer dizer “muitaaa grana”, mas além dela, e principalmente amada, amando, curtindo a gravidez ou meu filho, mudando a decoração da casa sem culpa do aperto, conhecendo gente interessante, aumentando a minha biblioteca que iniciei com os livros da infância.
Paguem o preço que for, não abro mão de nada do que quero para mim. Não abro mão de nada que possibilite a mais breve e minuscula chance de felicidade, de qualquer coisa que me soe a chance de um novo amor chegar. Não me fecho. Me abro “como um brilhante que partindo a luz, explode em sete cores, revelando então os sete mil amores, que eu guardei somente pra te dar...”
.
.
Cáh Morandi

11 comentários:

Dilean de Bragança disse...

Essa é minhamninha querida!
Como sempre amo te ler!
ETAM SEMPRE!

Saudades de ocê!

Bjus mil

Tatiana disse...

Como sempre: MUITO LINDAA!
adorei cah
um beijo
saudade
Tati Bassetto

Elza Rocha disse...

Linda crônica! Você está cada dia melhor, sensível, delicada, verdadeira. Escreve de uma maneira que dá gosto ler! Que você realize todos os seus sonhos e escreva muitos textos e poesias!

Beijo.

Elza

eD disse...

quero ver como vai ser a tua filha....
vai dar dor de cabeça sim senhora...
bjo.

Francimare Araújo disse...

que lindo!

Dauney O. Fernandes disse...

gostei,

Parabéns! Seus textos tem uma alma. Sem alma não há porque textos.

Jéssica disse...

Olá, gostaria de parabenizá-la pelos excelentes textos! Sucesso!

Elias Júnior disse...

Lindo Cáh.

Moça bonita, inteligente, decidida, sem medo do esforço, honesta.

Parabéns e
feliz 2010, que você alcance suas metas.

Ricardowagner disse...

Ao ler você, estou relendo páginas da vida, mas páginas novas a cada momento, porque você renova sempre, um pensamento ágil, sucinto e honesto. Parabéns, continue a regar esse jardim.
Ricardo Wagner, do Blog Geraes,
http://ricardowagner-ricwagner.blogspot.com

Regina Zanette disse...

Sua coragem me fez ver que sou quase totalmente ao aposto de ti.
Adoro diferenças, te sigo.

Bela disse...

Lindo seu jeito de escrever: doce, musical, intenso!

parabens!virei seguidora!

bjs,

Isabela

http://nablogoesfera.blogspot.com