15 de mai de 2009

"E eu que pensei que o tempo fosse amigo..."

(A distância, Toquinho)

"...again my heart sits upon a wall. Now from here where do I go?
I can't decide, I do not know..."
(Lawrence H Pfaff)

É ruim sentir falta, não é mesmo? Sentir falta de alguém que a gente não voltará a ter. Falta de alguém que a gente nem teve ainda. Falta de uma comida que a gente goste muito, mas que só tem num bristô na rua Brighton Beach, no Brooklyn, em New York. Falta da neve que caía no dia 07 de dezembro, de um ano que parecia não nos importar. Falta de um sol de dezembro, em pleno calor de quase verão brasileiro e se fazia planos de estar junto com aquele alguém a vida inteira. Falta de esperar o shopping abrir, para andar voltas sem gostar ou levar coisa alguma. Sentir falta da camiseta que de tão velha, teve que ser abandonada. Sentir falta de um lugar que não fomos, de alguém que não conhecemos, de uma vida que não optamos. Sentir falta dos dias que não irão voltar, do tempo que não poderemos repor, da nossa energia da juventude, da inocência que não passou do primeiro amor.
Os planos é que acabam com tudo, porque estão incluídos com todas as coisas que perdemos quando um amor se vai, quando os dias passam tão depressa que não percebemos, quando a sabedoria chega sem notarmos que nossos "vinte e poucos" já eram. A sensação de dor se torna maior, a perda se torna maior, as noites teimam em ser mais longas, e a ansiedade de queremos fazer tudo ao mesmo tempo nos atravessa. Devíamos viver sem perspectivas para o futuro, sem imaginar, sem criar demais, sem planejar muito e assim, quem sabe, viveríamos com mais intensidade os momentos que nos são permitidos. E as lembranças, no fim, ficariam mais vibrantes, mais detalhadas.
Sinto falta também justamente disso: de não conseguir arquivar as memórias com todos os detalhes. Memória devia guardar não somente “male mal” a imagem, mas também o cheiro, o gosto, o tato, o vento, o peso. Lembrança devia ser coisa mais viva, mais real, mais palpável, um quadro com a tinta fresca que não tem o direito de secar. Acho que não quero me conformar com as fotografias, com os vídeos, com as cartas. Quero me acostumar em poder trazer à tona, a qualquer hora, a qualquer tempo, o momento vivo, o instante exato.
Saber o caminho que passamos, é a forma mais segura de ir em frente.
.
.
.
(Cáh Morandi)

3 comentários:

Clarissa - cotidiaando.wordpress.com disse...

" .. e a ansiedade de queremos fazer tudo ao mesmo tempo nos atravessa. Devíamos viver sem perspectivas para o futuro, sem imaginar, sem criar demais, sem planejar muito e assim, quem sabe, viveríamos com mais intensidade os momentos que nos são permitidos. E as lembranças, no fim, ficariam mais vibrantes, mais detalhadas...""

Eu sei que já te falaram isso , mas tu escrevem o que a gente sente! parabéns e muito obrigada!!
Sempre achei linda a teoria do Carpe Dien, mas nunca consegui seguir, sempre fiz planos só que quando eles se desmancham doí.

Vida longa a você e seus escritos
Abraço
Clarissa Dutra

sfohart disse...

Sim, é ruim sentir falta. Principalmente daquelas coisas tão gostosas de antes... Dos risos, das lágrimas de alegria, dos paladares, dos tatos... Talvez até das coisas ruins... E no final das contas, sempre bate aquela dúvida: esse "adeus" é pra sempre?Linkada, Cáh! ;)

lord jafa disse...

essa nos conclama ao hedonismo. por isso gosto tb de omar khayyam.
um brinde ao momento cáh!
um beijo no teu divino coração.