8 de ago de 2010

"quando penso em você, é quando não me sinto só..."

(Pensando em você, Paulo Moska)
.
.
Queria aprender mais da vida, que o amanhã estivesse certo, que a dor fosse passar, que o amor que me rodeia iria me levar a cura, Andrei também. Só o tempo nos ensina a imprevisão das coisas, a impossibilidade que não nos damos conta, os atalhos, as placas que entendemos errado pelo caminho.
Andrei, eu também tinha esperança. E ainda a tenho, lá no fundo, quase escondida, timída e triste, quase se foi quando me deparei com tua ausência. Minha esperança quase se anula, pois ela não te salvou e nem te trará de novo para que tua mãe te embale, para que te prepare para a escola de manhã, que te compre presentes, para que vele teu sono. A esperança que falhou contigo, também deixou uma falha no coração de teu pai, ele não pode ser teu herói, embora te contasse tantas histórias, embora quisesse te proteger de todo mal e ainda te carregar nos ombros para que não cansasse.
Mas sabemos, de alguma forma silenciosa e muito certa, que tu jamais desistiu. Fosses uma das pessoas mais corajosas que conheci. A leucemia não te assustou, e quem te levou de nós foi um propósito bem maior, que um dia quem sabe entenderemos, e o colocaremos no lugar da dor e da saudade. Nunca achei uma luta muito digna para um menino de 13 anos. Com 13 anos teu lugar era outro. Eu com minha idade ainda tenho receio com os hospitais, mas respeitei tua morada, respeitei tua força, respeitei teu olhar que sempre foi mais seguro que os nossos.
Sempre que penso em ti , corto quilos de cebolas e meu coração se aperta. Não acho justo, não acho que tivesse que ser você. Tento esquecer, tenho abrir a janela e esperar que passarás correndo de bicicleta, que nos toparemos na padaria, ainda trago lembranças para ti das minhas viagens e conto para todo mundo que tenho um amigo, um grande amigo, o mais fiel de todos os amigos e que ele tem 13 anos e se chama Andrei.
Tua rua sempre será a minha rua e o teu riso ficará sempre soando na minha memória. O câncer, a leucemia não poderão apagar quem és para nós, não poderão confundir a lembrança que temos do teu rosto, das tuas mãos. Tenho uma saudade tão grande e não sabemos aonde colocar todos os teus sonhos.Para aonde eles irão Andrei? Aonde colocaremos tanto que ficou da tua vida? Fazes uma falta. Principalmente nos domingos, principalmente quando me falta algo de doce e de alegre.
Guardo meu coração para depois, ainda não sei o que fazer com a parte que era tua.
.
.
Cáh Morandi

10 comentários:

Noe* disse...

Nossa, muito lindo Cáh, é possível, nessas linhas enxergar o amor!
=)
Um beijo =*

dor@ disse...

Muito comevente, Cáh...
Me fizestes cortar quilos de cebola tambem...

Sil.. disse...

Sem palavras Cáh...

Só deixo extravazar meu choro tbm, e TENTAR entender essa batalha tão injusta.

andrea.lago disse...

Que triste e lindo Cáh...

Me emocionei...
Bjs,
@andreallago

Ego. disse...

A dor agora tornou-se um pouco nossa tb!!
Vixe, tô chorosa!

Bjos pra ti e milhares pra ele!!!

*Livia* disse...

Incrível....a gente se recusa ao ver um botão se abrindo em flor de repente ser cortado, não? Mundo injusto....tanta gente ruim esbanjando saúde.

A vida...coisas que temos de passar...sabe-se lá porque!

Bjs

Deixa o disco na vitrola prá eu pensar que é festa disse...

- Muito lindo o que escreveu, Adorei o blog querida!

beijinhos...

Poetic GIRL disse...

Dói demais perdermos quem amamos. Nunca se cura essa dor, engole-se, finge-se que não está lá, mas sabemos que está. Pena tantas vidas partirem prematuramente, dizem que existe uma razão, quero crer que sim, bjs

Brunno Leal disse...

Lindíssimo texto, Cah. Parabéns!

Cristiane disse...

Só estou passando por aqui pra dizer que tem "selinho" lá no meu BLOG pra vc! Vc merece! Bjs